Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

ELE DIZ

Gadgets, Internet e Media! Humor Q.B.

ELE DIZ

Gadgets, Internet e Media! Humor Q.B.

Estamos no bom caminho!

Senhores das tvs, tudo bem que são não sei quantos milhões e não sei quê, e caros senhores que são os tais não sei quantos milhões, ninguém tem mais nada que fazer do que pensar na puta da bola? 
Ninguém vê alguma coisa mais produtiva, mais útil e sinónimo de uma sociedade civilizada do que andar na rua feito gente estúpida a festejar uma coisa que não vos dá merda nenhuma?

Já me mete nojo este país de merda onde temos de viver, passamos a vida a queixar de que estamos sempre em crise, mas não fazemos nada para o mudar, vamos todos para a rua festejar porque 90% dos jogadores de um clube português são estrangeiros e vêm cá ganhar o nosso dinheiro para levar e investir fora, sim é isto que nos vais fazer tornar num país mais competitivo. Acho que estamos no bom caminho!

Para não falar da missa campal na praça do comercio, isto na vinda cá a Portugal do amigo das criancinhas, ando a rezar para que se repita o 1 de novembro de 1755 e que leve rio abaixo os 300 000 mil que lá vão estar, é que não se perdia nadinha!

Limpezas, MSN

Ontem foi dia de limpezas na minha lista de contactos do meu msn pessoal. Foi altura de avaliar quem acho que tem lugar na minha vida, seja a nivel pessoal, ou profissional, isto dito assim até parece algo muito racional e bem pensado, na prática se o fosse, estou em crer que ficaria bem mais reduzida, enfim...
Tenho a mania de acreditar na virgem e não fugir.

Crise? Sim, social!

Faz-me espécie a forma como a maior parte das pessoas que vou conhecendo, vivem a simples vidinha do consumismo bacoco, provocado pela poluição publicitária que lhe entra pelos olhos, sem terem a capacidade de a filtrar.
Faz-me espécie, como as banalidades do comportamento mímico social, está enternecido até ao topo da cadeia de formação dos portugueses.
Basicamente andamos todos a esperar para ver se chove, caso aconteça muito bem, caso contrário culpamos os "Sócrates" deste país pelos nossos erros e pelos dos outros. Viramos baterias contra o fisco porque é ladrão e nos fica com o IRS em vez de nos pagar, mas nem nos passa pela cabeça que vivemos num Estado de direito, com forte apoio social e com todos os encargos de um país da UE. Caso não saibam mentes precárias deste nosso país, o Estado não fabrica dinheiro, o Estado somos nós e não aquele bicho papão que apenas nos quer o mal.
O nosso Estado funciona mal? Sim, sem dúvida, mas isso é porque somos um povo de gente medíocre, e com gente assim por muito que o porco torça o rabo não vai mudar nada, pois o estado começa em cada um de nós.

Olhe lá, quer com IVA, ou sem IVA?

Sou quem tu queres?

Isto de ter um blogue e pensar que temos sempre conteúdo interessante para contar a quem nos lê, é uma tarefa dos diabos. Eu bem queria ter uma vida cheia de aventuras para contar, mas as minhas aventuras são com toda a certeza coisas pouco animadas para quem vem aqui parar. 
O que para mim pode ser algo super interessante, para vós pode ser algo do mais banal possível! Como é que se chega a um meio termo, onde a minha vida corresponde pelo menos em parte ao que quem me lê quer saber dela e mesmo assim podendo eu continuar a manter o anonimato? É muito complicado, especialmente quando a vida de alguém, em sua grande parte, passa por algo tão especializado que dar pequenas dicas poderiam facilmente revelar muito sobre mim, muito mais do que pretendo divulgar.
É a questão que me estou a colocar neste momento em que, quanto mais não seja, serviu para cumprir com aquilo que ando a tentar fazer, ou seja, um post por dia.

Como matar alguém?...

Por questões profissionais preciso chegar fogo, matar, atropelar, fazer explodir alguém, e não me consigo decidir como devo colocar em prática este pedido. Ando às voltas com a cabeça para ganhar coragem de começar a trabalhar neste plano, mas tudo que envolve algo deste género é difícil de nos fazer ter vontade de dar o primeiro passo.
Confesso que estou em pulgas para ver o resultado, porém isto é sempre complicado.
Tenho dito.

Aceito sugestões de morte em praça pública, algo do tipo que aos olhos do comum mortal pareça um acidente.

Momento intelectual

Como todos sabem nutro pelos livros e por tudo o que eles significam uma enorme estima, assim e como não poderia deixar de acontecer, lá foi o Ele Diz em direcção à feira do livro de Lisboa no sábado.
Neste evento que é o mais nobre na promoção da cultura nacional, onde os grande nomes sagrados se misturam com os profanos escritores de se trazer por casa.
Confesso que me delicio com aquele ambiente, com o cheiro a papel que ali se respira, com todo o ambiente do saber nacional em torno do parque Eduardo Sétimo, todo aquele altar em forma de ferradura, a qual é fechada pelas mais nobres editoras que, encabeçam o alto da colina trazendo ao público conhecimento, de que até ali, os egos dos escritores lutam por um lugar ao sol.
Nenhum escritor confessa que luta por um lugar no top de vendas, é tudo em prol da arte do bem escrever, da arte de dominar as palavras, colocando cada uma no local certo para assim lhe dar o significado pretendido.
Separadas, as palavras, nada nos dizem, porém juntas são capazes de nos alegrar, ou nos fazer chorar, ou até de nos levarem para outro local que apenas existe na nossa imaginação.
Resta ainda acrescentar que tudo o que acabo de escrever é uma tanga, pois sou totalmente contra o espectáculo  anti-ecologista que ali se vive, estive lá para ver a miséria da raça humana, que sabe estar a destruir toda uma floresta e os seus animais para produzir papel e tudo isto, apenas, para satisfazer a hipocrisia de dizerem que é diferente ler algo no papel, tem outro toque, outro cheiro. Enfim, uma quantidade de desculpas dos que enchem aquele espaço com livros de como salvar o planeta, das tretas do mundo verde sem aquecimento global.
Meus senhores, quer queiram, quer não queiram, o futuro está nos livros em formato digital, deixem-se lá de tretas sentimentalistas que é por causa de pessoas como vocês que o mundo está a ser violentamente desflorestado.
Para terminar, e não menos importante, quero dizer que isto também foi mais uma treta para vos manter aqui a ler, quero lá saber do ambiente e da ecologia, é sempre melhor ir na onda do que lutar contra a corrente não é?

Estamos com falta de gente com verdadeira opinião neste país.

Na verdade apenas fui lá buscar farturas, acho que era no fundo o que toda a gente estava ali a fazer, não era?

Não há rapazes maus,diz a igreja!

Todos sabemos do papel activo que a igreja tem tido ao longo de séculos na educação e formação da nossa população, porém como é uma entidade fechada em si própria não se sabia ao certo os métodos que esta utilizava e continua a utilizar para educar os seus seguidores. Após uma investigação séria e muito exaustiva por parte do Ele Diz, começam agora a aparecer provas muitas delas dissimuladas em praça publica que nos indicam claramente o que se fará por detrás do altar. Esta recolha fotográfica é fruto de um olhar atento de informadores deste espaço que não se deixam iludir com as falinhas mansas do papa que é apenas na minha opinião, ou existe ali naquele olhor qualquer coisa de diabólico?
Segundo a igreja não há rapazes maus, apenas uns mais dificeis de convencer que outros.

Pág. 2/2